Veja a entrevista do leiloeiro Gustavo Correa no jornal Boca do Povo

GUSTAVO “GUGA” CORREA (40): Bacharel em Direito, Corretor de Imóveis, Leiloeiro Oficial. Carioca radicado em Campo Grande desde 1983, possui um bem montado Depósito Judicial nesta Capital, na Av. Guaicurus, 596 (Jd. Itamaracá). Poeta, homem ligado às artes, e que nesta semana foi entrevistado no programa BOCA DO POVO da Super RÁDIO DIFUSORA (AM-1240KHz) sobre Leilões judiciais ou extrajudiciais.

Boca: É difícil arrematar em leilões judiciais ou extrajudiciais?
GUSTAVO – “A chegada do leilão online inibiu a antiga prática da formação de grupos que se juntavam, combinavam entre si e arrematavam o que queriam. A participação e a concorrência ficaram maiores e mais democráticas. Mato Grosso do Sul é famoso no País todo porque aqui sempre existiram grandes leiloeiros oficiais, e hoje participar de um leilão é fazer amigos e conseguir bons negócios”.

Boca: É a primeira vez que nosso programa em seis anos de existência traz alguém aqui para falar de leilões…
GUSTAVO – “Acho uma iniciativa importante. Leilão é para todos sem exceção, e quanto maior a divulgação maior o número de interessados. Antes de acontecer qualquer leilão ele recebe ampla divulgação nos jornais de grande circulação e agora também na internet”.

Boca: Que tipos de bens são leiloados?
GUSTAVO – “Todos: automóveis, aviões, casas, terrenos, computadores, sucatas, etc. Dependendo do bem, como carros, imóveis, aviões, por exemplo, são vendidos em lotes separados. Outros objetos como sucatas, são vendidos em lotes com diversos itens. Vale ressaltar que existem leilões judiciais e extrajudiciais”.

BOCA- Qual a diferença?
GUSTAVO – “Judicial: somos convidados pelo magistrado que solta o edital onde estão as regras do leilão. Esses editais são publicados no Diário Oficial e em jornais de grande circulação, onde estão expressas as regras que tem que ser rigorosamente obedecidas, sob pena de nulidade. O extrajudicial é aquele leilão feito por particulares, empresas, etc. A pessoa contrata um leiloeiro e leiloa seus pertences pessoais, gado, muares, etc. Seguradoras, empresas, pessoas físicas podem fazer leilões. São geralmente promovidos por seguradoras, empresas, pessoas físicas”.

Boca: O preço compensa?
GUSTAVO – “Muito. Leiloeiro não pode vender por preço vil, mas assim mesmo a diferença chega a até 40% ou mais. Os bens são avaliados anteriormente e colocados num preço para o início do leilão, e vão subindo segundo os lances”.

Boca: Como são as formas de pagamento dos bens arrematados?
GUSTAVO – “No caso de automóveis, o preço é sempre à vista, acrescido uma comissão de 5 % para o leiloeiro. Após o depósito de pagamento, o arrematante assina o auto de arrematação junto com o leiloeiro e o juiz, confirmando a compra do bem e a sua titularidade. Seja o leilão judicial ou extrajudicial, o tramite é o mesmo. Apenas se for de imóvel (casa, apartamento, sítio, fazenda etc.) o edital pode definir o parcelamento do bem”.

Boca: Imóvel judicial de bem imóvel arrematado, quem fica com os débitos se houverem?
GUSTAVO – “Tudo isso estará previsto no edital. Qualquer dívida que recaia sobre o imóvel ficará explícita sobre a responsabilidade de quem arrematar. O leiloeiro, assim como o edital, tem a obrigatoriedade de frisar e anunciar aos presentes no leilão as eventuais dívidas. Muitas vezes o imóvel vem totalmente livre e desembaraçado. Um apartamento, por exemplo, que foi a leilão por dívidas de condomínio: o montante arrecadado segue para saldar os débitos”.

Boca: No caso da Caixa Econômica, que leiloa imóveis onde existem pessoas morando. A desocupação é de obrigatoriedade da justiça ou de quem comprou o bem?
GUSTAVO – “Sempre recomendamos aos arrematantes, principalmente em relação a imóveis, para que visitem o local antes, avaliando e analisando suas condições, matrícula do imóvel para saber da existência de débito ou coisa parecida; se está ou não ocupado, e recomendamos que na compra de bens duráveis ele o faça sob orientação jurídica de um advogado”.

Boca: O que acontece se o arrematante se arrepender e desistir?
GUSTAVO – “Isso às vezes ocorre: a pessoa deu o lance e depois não quer mais o bem ou cumprir com o arremate. Essa pessoa ficará proibida de participar de outros leilões. O lance é irretratável e irrevogável. Se você levantou a mão e não cumprir com o arremate, ficará impedido de participar de outros certames”.

Boca: Os valores dos lances são pré-determinados?
GUSTAVO – “Sim. São os incrementos. Fica determinada a quantidade de cada lance. Inicia-se com um valor e os lances sobem de acordo com o que foi previamente acordado entre os presentes. O leilão pode ser ‘presencial’ ou ‘online’. E recebe lance de ambos durante a venda”.

Boca: É importante lembrar que se pode arrematar em leilões coisas de qualidade e a preços bons.
GUSTAVO – “Leilão é para todos. Esse negócio de leilão com compradores pré-determinados não existe mais e nem pode ocorrer porque ‘é crime’. A oferta é para todos. Vá participar de um leilão não com o intuito de comprar, mas para ver e saber como a coisa funciona. Chegue cedo, analise os perfis dos compradores. É quase um jogo. Monte uma estratégia para adquirir o bem desejado. É emocionante e existem ótimas oportunidades. Se informe nos editais que geralmente saem nas páginas de classificados dos grandes jornais”.

Boca: Quais são as formas de se leiloar?
GUSTAVO – “Nos Estados Unidos leiloar é uma profissão, assim como noutros países. A forma utilizada aqui é o ‘leilão inglês, no qual se dá lances. No holandês o arrematante dá a sugestão dele de preço e o vendedor decide se vai ou não acatar a oferta”.

Boca: Como encontrar um leiloeiro oficial?
GUSTAVO – “Na internet ou pelo nome dos leiloeiros, que saem nos jornais publicados junto aos editais. Lá sempre é possível encontrar nomes, locais para a visita aos bens que serão leiloados. Geralmente destinamos ‘três’ dias para visitação antes do leilão. Sou Gustavo Corrêa Leiloeiro. Podem me encontrar no Facebook onde tenho uma página. Maiores informações nos meus telefones (67)3253 8048/9834 7636”.

 

Mais informações: Boca do Povo News